Colesteatoma: utilidade da sequência de difusão sem echo-planar

Autoria: Marina Vimieiro Timponi de Moura; Daniela Oliveira de Lima Taranto; Marcelo de Mattos Garcia
Fonte: Radiologia Brasileira
Tipo: Artigo
Ano: 2012
Idiomas: Português/ Inglês


Resumo em Português

Colesteatomas são lesões císticas congênitas ou adquiridas que acometem as orelhas e que podem apresentar padrões típicos aos estudos de tomografia computadorizada, em função de suas características expansivas e tendência a promover erosão óssea. Entretanto, particularmente nos casos de resíduo ou recorrência pós-cirúrgica, a distinção entre colesteatoma e tecido inflamatório pode ser bastante difícil e, não raro, impossível com base somente nos achados tomográficos. A avaliação por ressonância magnética pode ser útil, particularmente neste contexto, uma vez que as sequências pós-contraste obtidas tardiamente e a difusão podem demonstrar padrões distintos nestas duas situações. Os artefatos condicionados pela interface ar/osso na região das mastoides podem limitar bastante a utilização da sequência de difusão echo-planar. A sequência de difusão sem echo-planar é uma alternativa na solução deste problema por estar menos sujeita a este tipo de artefato, fornecendo ainda imagens com maior resolução espacial e com espessuras de corte mais finas, as quais permitem a detecção de colesteatomas de pequenas dimensões.


Abstract in English

Cholesteatomas are cystic lesions which may be either congenital or acquired, affecting the ears and presenting typical imaging patterns at computed tomography because of its expansile nature and tendency to erode bone. However, particularly in cases of lesion residue or recurrence after surgery, the distinction between cholesteatoma and inflammatory tissue based solely on computed tomography findings may be quite difficult, if not impossible. Magnetic resonance imaging might be very useful, particularly in such a context, since delayed postcontrast and diffusion-weighted images can demonstrate different imaging patterns in these two situations. Artifacts related to air-bone interface in the mastoid region may represent a relevant limitation to the utilization of echo-planar diffusion-weighted imaging. Non-echo-planar diffusion‑weighted imaging represents an alternative to resolve this problem, once this method is less subject to this type of artifact, besides offering images with higher spatial resolution and thinner slice thickness, allowing the detection of small-sized cholesteatomas.


Artigo completo em Português: Colesteatoma: utilidade da sequência de difusão sem echo-planar

Full article in English: Cholesteatoma: utility of non-echo-planar diffusion-weighted imaging

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s